Notícias

Últimas Notícias

“A PRIMEIRA CARTA DE ALFORRIA DO NOSSO FUTEBOL!”

30 de julho de 2020

Tive a oportunidade e o prazer de conhecer pessoalmente o ex-jogador Spencer Coelho, campeão brasileiro de 1971 com o Atlético Mineiro, e o 1º  jogador a receber o passe livre no futebol brasileiro.

É sabido que somente com a lei pelé (lei 9.615/98) que ocorreu a extinção do instituto do “passe”, antes o jogador ficava vinculado ao clube e somente a entidade de prática desportiva podia se desfazer do atleta.

Spencer não estava satisfeito no Cruzeiro Esporte Clube pois era reserva de tostão e conseguiu na justiça desportiva seu passe livre.

O escritor Marcelo Baêta na bela obra “1971: O ano do Galo”, relembra o caso: “O código brasileiro disciplinar de futebol (CBDF) definia na época que, sem um jogador ficasse três meses sem receber salário, poderia pedir a rescisão contratual com o clube e se tornar dono de seu passe. No Cruzeiro, como em outros clubes, pagamento era feito 15 dias antes de inteirar os três meses sem salário. Spencer decidiu ficar esse período que faltava sem receber para pleitear o passe livre na justiça”, o que deu certo.

Assim, segundo Marcelo Baêta, “no dia 03 de agosto de 1971, o Tribunal de Justiça Desportiva de Minas Gerais (TJD-MG), em uma decisão unânime dos seus seis juízes, concedeu passe livre a Spencer. O Cruzeiro recorreu da decisão no Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD), mas sem êxito. No dia 09 de agosto aos 23 anos, Spencer assinou contrato de um ano com o Atlético por 5 mil cruzeiros mensais pelo aluguel do passe, luvas e ordenado.”

Hoje em dia a situação mudou e para melhor, pois os atletas além de terem seu ” passe livre” com o término do contrato especial de trabalho, possuem muitos mais direitos consolidados.

*Créditos da foto: Blog, O Canto do Galo.

Deixe um comentário